23 de junho de 2018

PGR DIZ QUE TESTEMUNHA DA LAVA JATO FOI AMEAÇADA DE MORTE A MANDO DE CIRO NOGUEIRA E EDUARDO DA FONTE

A Procuradoria Geral da República (PGR) apontou ameaça de morte a uma testemunha da Operação Lava Jato supostamente a mando do presidente do PP, o senador Ciro Nogueira (PP-PI), e pelo deputado Eduardo da Fonte (PP-PE). 




Ciro Nogueira e Eduardo da Fonte foram denunciados nesta semana por suposta obstrução de Justiça, segundo a PGR, por ordenar o ex-deputado Márcio Junqueira (ex-filiado ao PP) a pressionar um ex-assessor e motorista a desmentir depoimentos prestados à Polícia Federal. 




Procurada, a assessoria do deputado enviou a seguinte nota: "Eduardo da Fonte reitera que a acusação é completamente mentirosa e absurda e que ele está à disposição da justiça para que os fatos sejam esclarecidos rapidamente". 




O advogado de Ciro Nogueira, Antônio Carlos de Almeida Castro, disse que a acusação contra o parlamentar é "fantasiosa", "criminosa" e de uma "irresponsabilidade enorme". 


 

Considerado um "arquivo vivo", José Expedito trabalhou para Ciro e Eduardo da Fonte por mais de dez anos, sendo "pessoa próxima e de confiança" dos parlamentares, incumbido de transportar dinheiro para eles em diversas ocasiões, segundo a PGR. 





Em setembro de 2016, José Expedito confessou os crimes à PF e entregou o que diz serem provas. Segundo a PGR, em 2017, a mando de Ciro Nogueira e de Eduardo da Fonte, Márcio Junqueira passou a exigir de José Expedito uma "retratação" das revelações que fez nos depoimentos.





"A mando dos parlamentares, a partir de outubro de 2017, nos termos retratados nesta denúncia, Márcio Junqueira ameaçou José Expedito de morte, exigiu dele uma retratação em cartório do conteúdo dos depoimentos que prestou à PF em 2016 (declaração ideologicamente falsa), prometeu-lhe cargo público, casa, pagou-lhe despesas e fez entregas de dinheiro —, tudo para comprar seu silêncio e, assim, prejudicar investigações em curso", diz a denúncia.

0 comentários:

Postar um comentário