19 de novembro de 2017

JOVEM QUE LEVOU MURRO DE NAMORADO DÁ ENTRADA EM UTI DE HOSPITAL NO INTERIOR DO RN

A jovem Thalita Duarte, que ficou desacordada após ser agredida pelo namorado com um murro no rosto no último dia 9, foi internada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Wilson Rosado, em Mossoró, na manhã deste sábado, 18.
 
 
 
 
 
A causa da internação não foi revelada pelo hospital, que não tem autorização dos familiares para divulgar o estado de saúde da paciente, mas informações extraoficiais obtidas pela reportagem dão conta de que, uma semana depois da agressão sofrida, Thalita vinha apresentando fortes dores de cabeça e convulsões.
 
 
 
 
 
Quando foi agredida e ficou desacordada, no dia 9, a jovem chegou a ser socorrida pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) para o Hospital Regional Tarcísio Maia, onde recebeu os primeiros atendimentos. Ela deixou a unidade no mesmo dia após não manifestar maiores sequelas.
 
 
 
 
 
Thalita Duarte foi agredida pelo namorado, identificado como Talles Diego de Morais Pereira. Segundo informações de testemunhas, a violência aconteceu depois de uma discussão entre os dois em frente a um bar localizado no bairro Doze Anos, em Mossoró. Após o bate-boca, Thalita teria se recusado a entrar no carro e acompanhar o namorado até a casa dele. Foi então que o murro foi desferido.
 
 
 
 
Fonte: Portal Agora RN.

"NASCI DE NOVO", DIZ PM QUE CAIU DE MOTO E TEVE ARMA ROUBADA APÓS TROCAR TIROS COM LADRÕES DURANTE ASSALTO NO RN

Um cabo da Polícia Militar de 58 anos, lotado no 5º Batalhão, foi alvo de criminosos na noite desta sexta-feira, (17) na Av. da Integração, no bairro de Candelária, Zona Sul de Natal. Após trocar tiros com quatro bandidos, o PM ficou ferido ao cair de uma moto e teve sua pistola levada pelos assaltantes.  "Minha arma depois eu compro outra. Minha moto, que ficou arranhada, depois eu mando ajeitar. Minha vida é que é uma só. Só tenho essa. Deus me livrou do pior", disse o policial.
Segundo Caetano, os criminosos que aparentavam ser todos adolescentes, estavam em um cruzamento em um Peugeot preto, quando ele se aproximou e foi abordado. "Eu fui me aproximando, e já pressenti que seria assaltado. Um deles puxou a arma e correu em minha direção. Por sorte eu não parei e também já saquei minha arma. A troca de tiros começou quando eu estava a menos de 8 metros deles", contou.
"Como minha moto ainda estava em movimento, acabei caindo. Foi nesse momento que minha arma também caiu. Um deles pegou minha pistola e correu pro carro. Então eles saíram em disparada em direção ao supermercado. E eu consegui me levantar e fugi no sentido contrário", relatou. "Nasci de novo", finalizou o cabo.

PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA É EXECUTADO EM JARDIM DO SERIDÓ

O Programa Saúde na Escola - PSE está sendo realizado em 11 escolas pactuadas, municipais e estaduais, em  Jardim do Seridó. Nos dias 14 e 16 de novembro, a gestão municipal percorreu algumas escolas para fazer a supervisão direta,  acompanhando as ações realizadas pelos profissionais da Estratégia Saúde da Família e do Núcleo de Apoio à Saúde da Família.
 
 
 
 
 
 
 
 

Foi realizada uma reunião com a direção das escolas visitadas, para avaliar o que está sendo executado e ouvir sugestões para a melhoria da parceria entre saúde e educação. O PSE vai ofertar 12 ações de saúde para os educandos do município.

MINISTÉRIO PÚBLICO DO RIO ENTRA COM AÇÃO PARA ANULAR SESSÃO QUE LIBERTOU PICCIANI E MAIS 2 DEPUTADOS

O Ministério Público (MP) do Rio entrou com uma ação na Justiça para anular a sessão da Assembleia Legislativa do Estado (Alerj) de sexta-feira, 17, que determinou a soltura dos deputados Jorge Picciani, Paulo Melo e Edson Albertassi, todos do PMDB. Na mesma ação, o MP pede que seja realizada nova sessão. O motivo foi o fechamento das galerias da Alerj durante a votação.
 
 
 

De acordo com o MP, o presidente em exercício da Assembleia, Wagner Montes (PRB), e a mesa diretora da Casa desrespeitaram os "princípios mais basilares do Estado Democrático de Direito" ao impedir o acesso do público ao Palácio Tiradentes, sede do Legislativo estadual, para acompanhar a sessão. A informação foi revelada pelo jornal O Globo e confirmada pelo Estadão.
 
 
 
 

No pedido, o MP destaca ainda que a Alerj não obedeceu decisão da juíza Ana Cecilia Argueso Gomes de Almeida, da 6ª Vara de Fazenda Pública do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJ-RJ), que determinou na tarde de sexta-feira, 17, a liberação das galerias para o público. Na ocasião, a oficial de Justiça que levava a liminar chegou a ser impedida de entrar na Alerj pela polícia e só conseguiu chegar ao plenário no fim da votação por interferência de alguns deputados que interromperam a sessão.
 
 
 
 
 
Segundo a peça do MP, a ordem judicial "não foi obedecida em claro menosprezo aos princípios da transparência e da publicidade", o que, de acordo com o subprocurador-geral de Justiça de Assuntos Cíveis e Institucionais, Sérgio Roberto Ulhôa Pimentel, e o promotor Carlos Bernardo Alves Aarão Reis, que assinam o documento, atesta que "não há qualquer dúvida de que os atos praticados pelo presidente em exercício da Assembleia são arbitrários e ilegais".
 
 
 
 
 
A Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB) também vai questionar as decisões de Assembleias Legislativas estaduais que liberaram parlamentares da prisão ou do cumprimento de cautelares, como a que soltou os deputados Jorge Picciani, Edson Albertassi e Paulo Melo, todos do PMDB do Rio de Janeiro, na sexta-feira 17. O questionamento será feito no Supremo Tribunal Federal (STF).
 
 
 
 
 
 
A prisão dos três deputados havia sido determinada pelo Tribunal Regional Federal da 2.ª Região (TRF-2), na véspera, como parte da Operação Cadeia Velha, um desdobramento da Operação Lava Jato.
 
 
 
 
 
Segundo o presidente da AMB, Jayme Oliveira, os legislativos estaduais estão utilizando um dispositivo da Constituição restrito aos parlamentares do Congresso Nacional. “Não é só a situação da Alerj. Nós já tivemos situação semelhante no Rio Grande do Norte e no Mato Grosso. A situação está se repetindo. Vamos questionar não só essa (do Rio), mas todas as decisões que estão dando uma interpretação extensiva”, afirmou Oliveira. A ação da AMB será protocolada no STF até terça-feira, 21.

HADDAD IMPÕE ‘LEI DA MORDAÇA’ À PRÓPRIA ASSESSORIA, NO MINISTÉRIO DA FAZENDA

Fernando Haddad baixou portaria estabelecendo uma “lei da mordaça” na própria assessoria da comunicação do Ministério da Fazenda, como se nã...