19 de abril de 2010

MANÍACO DE LUZIÂNIA MORRE ENFORCADO E CORREGEDORIA ABRIRÁ SINDICÂNCIA PARA APURAR SUICÍDIO


A Polícia Civil de Goiás informou que a corregedoria do órgão abriu uma sindicância para apurar a morte do pedreiro Adimar da Silva numa cela do Denarc de Goiânia. Adimar da Silva estava preso acusado de ter matado seis jovens em GO. Ele foi encontrado enforcado na cela com uma tira do forro do colchão.

O pedreiro estava preso desde o dia 10 de abril, acusado do assassinato de seis jovens em Luziânia (GO). As vítimas estavam desaparecidas desde dezembro de 2009. Adimar confessou os crimes e indicou à polícia a localização dos corpos.

Segundo a polícia, o pedreiro foi encontrado enforcado com uma tira do forro do colchão da cela por volta das 12h30 deste domingo (18). O delegado Norton Luiz Ferreira, que chefia a comunicação da Polícia Civil, informou que os policiais que estavam de plantão no Denarc e os presos serão ouvidos. A sindicância deve ser concluída em 15 dias, segundo ele.

O fato ocorreu nas dependências de uma delegacia de polícia. A priori, é suicídio. O fato é atípico, não é crime. Mas suponhamos que, (ao contrário) de tudo o que estaria indicando suicídio, seria homicídio. A sindicância é para apurar isso. Se houver alguma pista de homicídio, se instaura o inquérito policial”, explicou. Ele acrescentou que a cela estava trancada e que não havia buracos na parede.

As investigações deverão ser acompanhadas pelo Ministério Público. O procurador-geral de Justiça de Goiás, Eduardo Abdon Moura, pediu que dois promotores da área criminal acompanhem as investigações sobre a morte do pedreiro. Segundo nota divulgada no site do MP de Goiás, o procurador também solicitou que o promotor Ricardo Rangel, de Luziânia, vá até Goiânia para acompanhar o caso.

Silva já cumpria pena de dez anos e dez meses por atentado violento ao pudor. Ele passou quatro anos em regime fechado e, em dezembro, passou para o regime semiaberto, mesmo mês em que os desaparecimentos tiveram início.

Na manhã deste domingo ele teria conversado normalmente com os onze presos da cela ao lado, segundo a polícia. "Durante a conversa ele repetiu o depoimento que deu aos delegados e contou como matou os meninos", disse Ferreira. Segundo a polícia, os vizinhos de cela teriam ouvido um barulho de rasgo de tecidos na tarde deste sábado.




ASSEMBLEIA DO MATO GROSSO ANULA HONRARIA A DINO E MORAES

O deputado estadual e presidente da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa do Mato Grosso, Gilberto Cattani (PL-MT), explico...