15 de setembro de 2018

FILHO QUER PROVAR PATERNIDADE À “IRMÃOS”, E APÓS 15 ANOS DESCOBRE QUE SUA MÃE NÃO É MÃE BIOLÓGICA

Uma moradora de Rondonópolis, a 218 km de Cuiabá, fez uma postagem em uma rede social sobre a descoberta de que o filho, que hoje tem 23 anos, não é biológico. A suspeita da auxiliar administrativo Gislene Diogo da Silva, de 38 anos, é de que o bebê tenha sido trocado na maternidade da Santa Casa de Misericórdia do município, em fevereiro de 1995. O hospital alega que tem tomado todas as medidas para colaborar com as investigações sobre o caso. 






 


A mãe afirmou que os exames de DNA foram feitos há oito anos a pedido do próprio filho Wandré Pohl Moreira de Castilho e, desde então, ela procura o filho biológico, que nasceu no mesmo dia e não tem nenhuma pista da localização dele. 




A publicação feita no último dia 31 já tem mais de 6 mil compartilhamentos e 13 mil comentários. “Depois de 15 anos, descobrimos que meu filho não é meu filho biológico”, diz Gislene, na postagem.









Desde criança, segundo ela, Wandré ouvia dos irmãos por parte de pai que ele era filho 'bastardo' devido às características físicas diferentes. Os irmãos diziam que ele não era filho do mesmo pai e que eles eram mais brancos. 





A dúvida foi alimentada no rapaz até os 15 anos, quando pediu à Gislene que fosse feito um exame de DNA para comprovar que os irmãos estavam errados. 





Aos 15 anos, ele chegou da escola e perguntou quanto custava para fazer um exame de DNA. Ele dizia que queria mostrar para os irmãos que era realmente filho do pai dele”, recordou a mãe. 





Gislene diz que não tinha dúvidas da paternidade e se prontificou a fazer o exame a pedido do filho, que seria fruto do relacionamento de curta duração com o advogado Sival Pohl Moreira. Wandré passou a maior parte do tempo com o pai, apesar de sempre visitar a mãe.
 
 
 
No entanto, ao contrário do que mãe e filho imaginavam, veio o resultado surpreendente: o então adolescente não era filho do advogado e nem dela. 





Eu fiquei em prantos. Na hora passou muita coisa na minha cabeça, pensava que a criança precisava de mim. Na época, não quis expor, mas hoje fiz a postagem para tentar uma solução”, afirmou. A família fez dois testes de DNA para ter certeza do que estavam para enfrentar. 





Na época foi como se eu tivesse sido atingida por um 'Tsunami'. Fiquei com medo de perder meu filho”, lembrou. 




Tem oito anos que a família vive uma busca incessante para tentar descobrir quem são os pais verdadeiros do jovem e quem é o filho ou a filha de Gislene.


 

Desde 2010, eles fazem exames e procuram famílias que possam estar com o filho de Gislene.
 
 
 
 
 

0 comentários:

Postar um comentário