1 de março de 2018

COMPLICOU! ODEBRECHT APRESENTA A MORO E-MAILS COMO PROVAS CONTRA LULA

O empresário Marcelo Odebrecht anexou a um processo da Operação Lava Jato que tem o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva entre os réus novos e-mails com referências a valores supostamente pagos pela Odebrecht ao petista. A defesa de Marcelo alega que ele só pôde reunir o material depois que progrediu ao regime semiaberto e teve acesso a dados de seu computador pessoal. O conteúdo comprovaria o relatos do empresário em sua delação premiada.
 
 
 
 
Incluídos no processo referente ao sítio Santa Bárbara, em Atibaia (SP), os e-mails tratam de obras na propriedade rural, da compra de um prédio ao Instituto Lula, em São Paulo, que baseia outro processo da Lava Jato, além de pagamentos destinados a Lula por meio da “conta corrente de propinas” mantida entre Marcelo Odebrecht e o ex-ministro Antônio Palocci, identificado como “Italiano”.
 
 
 
 
 
Em 21 de junho de 2011, Odebrecht dá uma orientação ao executivo Luiz Antônio Mameri que indicaria que Lula sabia da conta de propinas com Palocci. “Qd mencionar ao amigo de BJ que o acerto do evento foi com Italiano/amigo de meu pai, e não com PT, importante não mencionar nada sobre minha conta corrente com Italiano pois só ele e amigo de meu pai sabem [sic.]”.
 
 
 
 
 
Segundo os delatores da empreiteira, menções a “amigo” ou “amigo de EO” correspondiam ao ex-presidente, que seria amigo de Emílio Odebrecht, pai de Marcelo. Na petição encaminhada pelos defensores do empresário ao juiz Sergio Moro, os defensores dele afirmam que a mensagem “reforça o conhecimento de Lula sobre a ‘conta-corrente’ mantida com Antônio Palocci (Italiano)”.
 
 
 
 
 
Em 22 de agosto de 2012, Marcelo Odebrecht comunica a Hilberto Mascarenhas, diretor do setor de propinas da Odebrecht, e a Benedicto Junior, ex-diretor da empreiteira, que combinou com Palocci um pagamento de 15 milhões de reais “para cobrir pedidos do amigo meu pai (sem que ele saiba que usamos o credito) o que inclui palestras, jato… [sic.]”.
 
 
 
 
Sobre o sítio de Atibaia, frequentado pela família Lula da Silva e supostamente reformado por Odebrecht, OAS e Schahin ao custo de 1 milhão de reais, a defesa de Marcelo Odebrecht sustenta que os e-mails “contêm citações diretas” à propriedade, “demonstrando em que medida o Colaborador tomou conhecimento sobre o assunto, ao final, já na fase de conclusão e entrega da obra”.
 
 
 
 
Em uma mensagem enviada aos executivos Alexandrino Alencar, Carlos Armando Paschoal e Benedicto Júnior em dezembro de 2010, Odebrecht indaga sobre se seria possível cumprir o prazo de entrega, combinado para o dia 15 de janeiro. “REFORMA Piscina (ainda sem laje), Suites ainda sendo rebocadas, Sauna a ser contratada. Nos nos comprometemos com 15/1 ou seria mais seguro dizer ate o final de janeiro, tentando antecipar? [sic.]”, pergunta.
 
 
 
 
 
Paschoal, conhecido como CAP, responde que “a equipe informou hoje pela manha que esta tudo conforme programado. O mais importante nesse tipo de obra e’ que não ha indefinicoes por parte do proprietario. Eu diria que temos como meta o dia 15 e não havendo imprevistos a alcancaremos. Temos um eng senior (Fred) que se instalou em Atibaia e esta’ cuidando pessoalmente do assunto com equipe de sua confiança [sic.]”.
 
 
 
 
Já em relação ao prédio que abrigaria o Instituto Lula mas acabou descartado, comprado pela Odebrecht através de uma empresa “laranja”, a DAG Construtora, por 12,5 milhões de reais, Marcelo Odebrecht apresentou e-mails trocados entre ele e Branislav Kontic, assessor de Antonio Palocci. Nas correspondências, o empresário pede orientações sobre as tratativas para a aquisição do imóvel, que, segundo o Ministério Público Federal (MPF), envolveram, além de Palocci, o advogado Roberto Teixeira, compadre de Lula, e o pecuarista José Carlos Bumlai, amigo do ex-presidente.
 
 
 
 
 
Em e-mail datado de 19 de agosto de 2010, Odebrecht pede a Kontic que lembre Palocci de marcar um encontro “com o advogado sobre o prédio”. “Advogado”, conforme o empresário, é Teixeira. Já em 4 de novembro de 2010, o empreiteiro diz que precisa “mandar um paper para o Chefe pedindo orientacoes sobre o Predio [sic.]” e indaga se deveria enviar o documento a São Paulo ou a Brasília.
 
 
 
 
 
 
Na mensagem encaminhada pelo ex-presidente da Odebrecht Realizações Imobiliárias Paulo Melo a Marcelo Odebrecht, Hilberto Mascarenhas e outros quatro executivos, três dos quais do setor de propinas, em 8 de setembro de 2010, Melo informa sobre pagamentos que deveriam ser contabilizados no “Projeto Institucional SP”, uma referência ao Instituto Lula. As três parcelas, distribuídas entre os dias 23 e 30 de setembro e 7 de outubro, deveriam ser de 1.057.920 reais cada uma. Como resposta, Marcelo orienta a Mascarenhas: “somar a conta/credito do Italiano [sic.]”.
 
 
 
 
 
Na petição encaminhada a Sergio Moro, os defensores do empreiteiro alegam que os e-mails “corroboram pagamentos para a compra do terreno do ‘Instituto Lula’, explicitando claramente que foram debitados da Planilha Italiano”.

0 comentários:

Postar um comentário