16 de maio de 2018

CONTRA AUMENTO DA GASOLINA, VEREADOR VAI TRABALHAR A CAVALO NA BA

Revoltado com os frequentes aumentos da gasolina, um vereador de Feira de Santana realizou, nessa segunda-feira (14), um protesto inusitado. De terno e gravata e carregando uma placa que dizia “Basta! Diga não ao combustível caro”, o vereador Edvaldo Lima (PP) saiu cavalgando em meio ao trânsito da segunda maior cidade da Bahia, com 627 mil habitantes.









Montado em “Pretinho”, que pegou emprestado de um amigo, o vereador percorreu um trecho de 2 km entre o bairro Tomba, onde mora, até a Câmara de Vereadores. No trajeto, recebeu apoio de populares, com direito a buzinaço.




O vereador disse que pensou em fazer o protesto de bicicleta, mas foi a cavalo para chamar mais atenção e por medo de ser alvo de agressão. O amigo dono do cavalo o acompanhou no ato, montado em outro animal.




No último levantamento da Agência Nacional de Petróleo (ANP) sobre preço de combustíveis em Feira de Santana, realizado entre 6 e 12 de maio, o valor médio da gasolina na cidade está em R$ 4,55, mas o parlamentar disse que tem posto cobrando R$ 5 – no site da ANP, o preço mais alto da gasolina em Feira é de R$ 4,60.




O meu protesto é devido aos aumentos absurdos em Feira de Santana e na Bahia. Mas aqui em Feira, com mais ênfase, porque o preço da gasolina é fora da realidade”, declarou Lima, que diz gastar cerca de R$ 3 mil por mês com gasolina nas suas atividades parlamentares.




É uns R$ 100 por dia que gasto, indo aos povoados. Na Câmara não temos auxílio paletó, combustível, o custo com isso aí é todo do parlamentar”, ele afirmou. Na Câmara de Feira de Santana, os 21 vereadores têm salário de R$ 15 mil.




Para o vereador, os aumentos da gasolina, realizados pela Petrobras, são consequência dos desvios de dinheiro público da estatal que vieram à tona por meio da Operação Lava Jato, da Polícia Federal.





E quem está pagando mais caro é a população. Nos mercados, os alimentos estão mais caros porque o transporte teve aumento do custo. E isso é repassado para o consumidor final. Precisamos levantar a voz contra isso”, ele disse, informando em seguida que estuda tomar medidas jurídicas contra o aumento dos combustíveis.




A Petrobras voltou a subir semana passada o preço da gasolina vendida nas refinarias para as distribuidoras. Com o reajuste de 2,23%, e o preço médio foi para R$ 4,25 o litro, ante os R$ 4,22 da semana anterior, alta de 0,76% – no acumulado, desde o início do ano, a alta da gasolina é de 3,85%, segundo a ANP.




Desde que a Petrobras adotou nova política de ajustes de preços, em 3 de julho de 2017, a gasolina teve valorização de 21,28%. Com a nova forma de ajustes de preços, a Petrobras tem atualizado os valores praticamente toda semana.



Fonte: O Povo.

0 comentários:

Postar um comentário