9 de julho de 2021

MPF DENUNCIA EX-DIRETOR DA PETROBRAS POR PROPINA E LAVAGEM DE DINHEIRO

O Ministério Público Federal (MPF) divulgou nesta quinta-feira (8) que denunciou o ex-dirigente da Petrobras Glauco Colepicolo Legatti, pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Segundo a denúncia, a propina para Legatti foi paga por meio de recursos dissimulados recebidos, direta e indiretamente, via aditivos contratuais fraudulentos entre a estatal brasileira e a empreiteira Galvão Engenharia. Legatti foi, entre junho de 2013 a junho de 2014, gerente-geral de Empreendimentos da Refinaria Abreu e Lima. 

 

A denúncia do Núcleo Lava Jato no Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado do Paraná mostra que Legatti, recebeu, pelo menos, R$ 400 mil de Erton Medeiros Fonseca e Dario de Queiroz Galvão Filho, por intermédio do operador financeiro Shinko Nakandakari. Esse, utilizava-se de sua empresa de fachada, denominada LSFN Consultoria Engenharia S/S, para emitir notas fiscais fraudulentas de serviços de consultoria e assessoria inexistentes, a fim de encobrir a ilicitude dos repasses. 

 

O denunciado, em razão do cargo que ocupava, deixou de praticar e praticou atos com infração de seus deveres funcionais, caracterizando o crime de corrupção passiva. Além da condenação, o MPF pede o bloqueio de valor equivalente ao desviado – R$ 400 mil – e a condenação por danos morais de, no mínimo, o mesmo valor. 

 

Legatti já responde por crimes em outras duas ações penais (nº 5017409-71.2018.4.04.70001 e nº 5023952-90.2018.404.70002). Fonseca e Queiroz Galvão Filho não foram denunciados, neste momento, pois já alcançaram a pena máxima prevista nos acordos de colaboração. Nakandakari faleceu. 

 

Os autos tramitam sob o número 5045654-87.2021.4.04.7000.

0 comentários:

Postar um comentário