29 de maio de 2018

NO RN, RODOVIAS SEGUEM BLOQUEADAS, HOSPITAIS SUSPENDEM ATENDIMENTOS E ESCOLAS CANCELAM AULAS

O oitavo dia de greve de caminhoneiros afeta serviços nas áreas da saúde, educação e transporte público no Rio Grande do Norte. Na capital, os postos de combustíveis foram reabastecidos no final de semana, mas em alguns ainda se formaram filas. O abastecimento de gás de cozinha também está comprometido. 








Os caminhoneiros exigem redução do preço do óleo diesel e aumento no valor do frete. Entidades de caminhoneiros dizem que aceitam a proposta feita pelo governo para encerrar a greve. Elas afirmam que estão comunicando os grevistas sobre o fim do movimento.



Enquanto durar a greve, a frota de ônibus em Natal e região metropolitana permanece reduzida. Na capital, 70% da frota vem saindo às ruas para se evitar um colapso no sistema. Já o transporte público intermunicipal, está rodando com 60% da frota.



Diretor da Associação dos Supermercados do Rio Grande do Norte (ASSURN), Geraldo Paiva Junior disse que nas grandes redes há falta de frutas e verduras. Em entrevista à imprensa na manhã desta segunda (28), ele alertou que a situação pode ficar mais complicada a partir da quarta-feira (30). 




Já na Ceasa, o desabastecimento ficou ainda mais evidente neste 8º dia de greve. Nesta segunda-feira (28), algumas lojas não abriram as portas. Os preços dispararam e alguns produtos tiveram reajuste de 250%. A batata, por exemplo, que era vendida a R$ 2 o quilo, subiu para R$ 7.




O Hospital Universitário Onofre Lopes (Huol), em Natal, suspendeu as internações eletivas para evitar desabastecimento para os pacientes que já estão internados. O hospital informou a suspensão através de nota divulgada nesta segunda-feira (28). As internações eletivas são aquelas que estão marcadas, mas que os pacientes ainda não deram entrada na unidade. 



 

0 comentários:

Postar um comentário